Você sabe diferenciar uma dívida boa de uma dívida ruim? Neste artigo vamos ajudar você a fazer essa diferenciação e, assim, poder se organizar financeiramente para conquistar novos sonhos.

Primeiramente é preciso destacar que na verdade só existem 2 tipos de dívidas boas: aquelas que já pagamos e as que nunca vamos fazer. Fato.

Contudo, para ajudar você a compreender melhor sobre dívidas boas e dívidas ruins, você vai conhecer a história do jovem Pedro que decidiu iniciar um serviço de transporte de encomendas.

Pedro estava muito entusiasmado com a ideia de seu novo empreendimento. Ocorre que pedro ainda não tinha um veículo apropriado para realizar as entregas das encomendas. Pedro, então, decidiu juntar todos os recursos que ele tinha em mãos para comprar o veículo; mas, percebeu que o valor era insuficiente. Depois de fazer diversos cálculos e análises, Pedro resolveu financiar a diferença que restava para compra do seu veículo de entrega. Feito isso, Pedro pôde dar início a suas atividades de empreendimentos e gerar sua própria receita.

Como vocês podem ver, Pedro acaba de fazer uma dívida. Mas há um detalhe importante nessa conta: Pedro fez uma dívida sustentável, uma vez que esse veículo vai ser usado para trabalhar e gerar receitas que irão pagar essa conta. Esse é o caso típico de boa dívida.

Por outro lado, analisando somente o aspecto financeiro, quando você financia um carro para passeio, você abre uma sangria no seu orçamento. Temos aqui um exemplo de dívida ruim.

Resumindo

Dívida Boa: faz aumentar o seu patrimônio de maneira sustentável.

Dívida Ruim: faz o seu patrimônio diminuir.

Agora vamos dividir as dívidas em 3 grupos:

  1. Dívidas que você precisa reduzir;
  2. Dívidas que você precisa eliminar;
  3. Dívidas que você fica despreocupado em ter.

Os 3 Tipos de Dívidas

1. Dívidas que você precisa reduzir

Dívidas inevitáveis. São as contas que acontecem todos os meses, mas que você deve focar seus esforços em reduzir esses gastos. Essas são as contas de: água, energia elétrica, telefone, mensalidades diversas, despesas bancárias, estacionamento, condução, supermercado, academia, entre outras.

2. Dívidas que você precisa eliminar

Você precisa eliminar as dívidas que incorrem juros altos, a exemplo cito o cheque especial (embora tenha um nome bonito e faça você se sentir importante, mas que na verdade estão te esfaqueando pelas costas), cartão de crédito (você precisa ter um auto controle muito grande para utilizar cartão de crédito; se não tiver, cancele-o imediatamente. Pare de se iludir com isso.) e financiamentos. Meu amigo, não espere mais nem um segundo para acabar com esse tipo de conta, pois isso leva boa parte do seu financeiro, do tempo que você se dedicou, suou, para conquistar aquela receita, e esses juros vem e leva tudo em questão de segundos. Sem contar que caso você atrase essas contas, elas aumentam de maneira descomunal.

Falando em cartão de crédito e o risco que ele pode trazer para sua vida financeira, agora em 2019 o juro cobrado para quem entra em inadimplência está em torno de 300% ao ano. Ou seja, se você ficar 4 meses sem pagar, a sua dívida dobra. Portanto, a coisa mais certa a se fazer é substituir esse tipo de dívida por uma mais apropriada. Uma que cobre juros menores, ou seja, tomar crédito a juros menores para pagar dívidas de juros maiores.

Dívidas que você fica despreocupado em ter

Não que esteja tudo em mil maravilhas, mas algumas contas, por mais que doam no seu orçamento, você deve ficar confiante em pagar: empréstimo para faculdade, mensalidade de um curso, uma viajem planejada, investimentos que fazem crescer o seu patrimônio, seguros que protejam o seu patrimônio, presentear pessoas muito queridas. Essas são contas que de alguma forma o valor vale muito mais que o dinheiro.

Reflita

Finalizando eu apelo a você para que não fique esperando por algum milagre para que sua vida financeira se organize. Isso não vai acontecer. É você quem precisa ter como meta se organizar financeiramente e parar de culpar a tudo e a todos pela sua atual situação financeira.

Pare também de culpar o diabo ou satanás. Isso me faz lembrar da palestra de um pastor que dizia que um irmão teria pedido para o pastor orar para que o livrasse e fizesse desaparecer todas as dívidas que o diabo tinha feito na vida dele. O pastor respondeu: meu irmão, traga-me no próximo culto a fatura do seu cartão, pois vou pagar todas as dívidas que estiverem em nome do diabo. Que isso sirva para nossa reflexão.